Hoje responderemos a mais uma pergunta recebida em nosso e-mail (contato@minhaseconomias.com.br) e relacionada com finanças pessoais. Vejam como ela foi formulada:

Pergunta:

Meu salário é de R$ 1.400, o que dá cerca de R$1.100 líquido. Pago mensalidades de um carro de R$460, um terreno de R$200, um empréstimo de R$140 e um cartão de R$100. Mais gastos com água, luz, telefone e internet. Não consigo terminar a reforma de minha casa que já está indo para o terceiro ano. Como devo agir nesta situação?

Resposta:

Na realidade, sua situação não é muito diferente da de outros usuários que temos. E muitos deles conseguiram “sair do buraco”, com esforço, disciplina e algum sacrifício. O primeiro passo já foi dado, que é o de ter consciência de que a situação não é boa e algo precisa ser feito. O segundo passo é ter vontade de aprender a gerenciar o seu dinheiro, e nisto podemos ajudar. O terceiro passo é conseguir identificar oportunidades de economia e cortar gastos de modo que as despesas caibam em seu orçamento familiar, e ainda conseguir ter uma sobra de caixa para começar uma poupança e cobrir imprevistos.

Para gerenciar o seu dinheiro, você pode começar com um controle de gastos, o qual pode ser feito em uma planilha ou no MinhasEconomias mesmo. Nossa ferramenta permite que se analise os gastos e identifique cortes de gastos. Além disso, há farto material sobre controle financeiro em nosso blog como tutoriais, mini-cursos, dicas de economia e investimentos etc.

Pelos gastos que você listou em seu e-mail e pelo salário que recebe, nos parece que os gastos com o carro são excessivos. Nem tanto pelo valor em si (R$ 460,00 mensais), mas muito mais pelo percentual que este gasto representa frente à sua receita (mais de 40% da sua receita líquida). Se este valor refere-se apenas ao financiamento, o problema é ainda maior, pois há a questão do seguro, IPVA, manutenção, combustível etc. Pela situação no qual você se encontra, provavelmente a venda do carro é a melhor saída, pois, logo de cara, você deixará de ter despesas com combustível e manutenção (mas terá com algum outro tipo de transporte). E o que acontece se houver um imprevisto? Um acidente, por exemplo? Se não tiver um seguro, um acidente pode levá-lo à falência e ainda correndo o risco de ficar sem o carro e com uma dívida.

Em um primeiro momento, pode parecer que você estará dando um passo pra trás, ao vender o carro, mas esta pode ser uma boa saída para resolver seus problemas financeiros logo e, com disciplina, passar a juntar dinheiro para terminar a reforma. Quem sabe, com bastante disciplina e foco, você não consiga juntar dinheiro para comprar um outro carro, mas desta vez, com condições de mantê-lo e contando com um seguro apropriado?