Sobrou um dinheirinho no mês e não sabe o que fazer com ele? Ao invés de torrar o dinheiro por aí, que tal dar um presente a você mesmo? Um futuro tranquilo e mais confortável pode estar ao alcance sem que se precise fazer muito esforço.

Muita gente, ao ver que sobrou um pouco de dinheiro na carteira ou na conta bancária, acaba gastando-o em pequenas futilidades: um presentinho para  a família, um bombom, um cafezinho a mais… Muitas vezes, o que se passa na cabeça é: “São só dez reais. O que eu vou fazer com isto?” A pessoa pensa até em poupar o dinheiro, mas acaba se desanimando com o baixo rendimento que uma caderneta de poupança, por exemplo, irá lhe proporcionar.

Não estamos falando para que as pessoas abram mão dos pequenos prazeres da vida. A felicidade de uma criança ao receber um pequeno mimo ou uma cervejinha bem gelada ao final de uma sexta-feira quente é que nos fazem ver que o esforço do nosso trabalho vale a pena.  O que queremos é mostrar que, quando ficarmos em dúvida sobre o que fazer com aquela pequena sobra de dinheiro, guardá-lo para investir é uma excelente opção.

No nosso exemplo, mostramos o que acontece quando se consegue poupar R$ 100 por mês ao longo do tempo. Em 40 anos, você terá poupado R$ 48.000 e, mesmo aplicando em um produto altamente conservador e de baixa rentabilidade como a poupança, você terá um saldo acumulado superior a R$ 225.000.

É importante saber que quanto mais dinheiro se tem , melhores opções de investimento estarão disponíveis. Por isto, vale a pena reavaliar seus investimentos de tempos em tempos e pesquisar por novos produtos. Por exemplo, com R$ 100 você provavelmente não terá muitas opções de investimento. CDBs oferecem taxas muito baixas e os fundos cobram taxas de administração elevadas para aplicações neste montante. Com isto, a poupança passa a ser um investimento inicial interessante.

Quando você tiver, por exemplo, R$ 10 mil acumulados (às vezes, produtos interessantes podem ser obtidos a partir de R$ 1 mil), vale a pena procurar por melhores condições de investimento. Em nosso exemplo, ao acumular R$ 10 mil, passamos a investir em uma LCI (letra de Crédito Imobiliário) que paga 86,5% do CDI e, como a poupança, é isento de IR (imposto de renda). A parte mais escura do gráfico abaixo mostra a diferença que se tem em relação ao investimento na poupança. Ao invés de acumular cerca de R$ 225.000, o montante total passa a ser um pouco mais de R$ 278.000. 

 

Anos

Total investido

Saldo poupança

Saldo com revisão de investimento

5

6.000,00

7.060,00

7.060,00

10

12.000,00

16.802,98

17.183,99

15

18.000,00

30.248,54

31.876,35

20

24.000,00

48.803,78

52.969,10

25

30.000,00

74.410,50

83.250,45

30

36.000,00

109.748,43

126.723,19

35

42.000,00

158.515,72

189.133,87

40

48.000,00

225.815,85

278.732,38

 

Como investir pouco dinheiro

Como investir pouco dinheiro – comparativo de rentabilidade acumulada

Há alguns pontos importantes que não estamos discutindo aqui. Um deles é a questão da inflação. Como não a estamos considerando na análise, o poder de compra de R$ 278 mil em 40 anos é muito abaixo do que o deste valor hoje. No entanto, nossa intenção aqui é mostrar que investir o dinheiro é melhor opção do que gastá-lo em algo que não irá lhe agregar valor. Mais do que isto, investir bem e estar atento às oportunidades de investimento que surgem podem representar um futuro ainda mais confortável.

Observações:

1) Investimento na poupança considerando uma taxa Selic estável de 9% ao ano;

2) Investimento em LCI considerando taxa CDI estável de 8,72% ao ano;

3) Consideramos apenas valores nominais, não deflacionados.

 

Veja mais informações em:

- Guia de Investimentos

- Como investir em LCI

- Como investir na poupança

7 maneiras de ganhar (mais) dinheiro em investimentos conservadores

 

Caso queira comentar este e outros textos, por favor, encaminhe uma mensagem para contato@minhaseconomias.com.br ou entre em contato pelo formulário do site